quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Entrevista: Maria Irlanda de Almeida

A belterrense Maria Irlanda de Almeida, 49 anos, encerrou no mês de novembro, seu mandato como presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Belterra e numa entrevista, fala das conquistas de sua diretoria à frente da maior organização de Belterra e das suas expectativas para com a nova diretoria do STR.
-->

Defina quem é Irlanda.
É uma mulher trabalhadora rural, de 49 anos de idade, mãe de 04 filhos, que já enfrentou muitas dificuldades na vida, mas que sempre acredita e luta por dias melhores.

Como foi sua trajetória para chegar a presidencia do Sindicato?
Antes de vir para o Sindicato, eu morava no Km 119 da BR 163, comunidade de São Francisco, titular da pasta da delegacia sindical mas não tinha uma atuação fora de lá. Fui convidada para concorrer à diretoria do Sindicato em 1998 para a secretaria geral do STR. Quando entrei para a direção, é que fui entender o que era movimento social, movimento sindical, a importancia da organização das pessoas e tudo isso me fez crescer bastante. Ao longo do tempo fui me capacitando e com meus conhecimentos pude ajudar em muitas conquistas para nosso movimento, assumindo inclusive diferentes cargos como secretaria geral por duas vezes e vice-presidencia. Em 2006 assumi a presidencia do nosso sindicato numa eleição onde obtive mais de 400 votos.

No Sindicato, quais as conquistas que a Senhora destaca do seu mandato?
Tivemos muitas conquistas, mas destaco algumas: A aquisição da patrulha mecanizada para Belterra. Foi uma luta para que os vereadores aprovassem a contrapartida do Governo Municipal para com o Governo Estadual e que Belterra fosse contemplada com as maquinas que estão servindo para melhorar as estradas de Belterra e também a nossa agricultura mecanizada. Tivemos que fazer abaixo-assinado junto às delegacias sindicais para convencer os vereadores da importancia do projeto para Belterra. Aumentamos a representatividade do Sindicato junto ao CODETER - Colegiado do Desenvolvimento Territorial, junto ao PTP - Planejamento Territorial Participativo e Conselho da Cidadania de Belterra que são espaços onde se planeja e fiscaliza as ações a serem desenvolvidas em seus respectivos âmbitos, tanto federal, estadual e municipal. O STR participou de várias ações programadas pela Contag e Fetagri como o Grito da Terra Brasil que ocorreu em Brasilia e foi onde negociamos com o Governo Federal a ampliação do INSS, a negociação das dívidas dos agricultores junto aos bancos, a efetivação de políticas públicas para o campo entre outras. As mulheres participaram da Marcha das Margaridas onde expuseram as exigencias pelo fim da violencia, direito da titulação da terra, finaciamento expecífico para as mulheres entre outras reivindicações. O Sindicato avançou na participação dentro dos Conselhos Setoriais de Belterra e neles apresentou suas reivindicações. E tivemos uma conquista que acredito que tem grandes perpectivas de futuro que foi a criação Feira Municipal da Produção Familiar. Em 2009 tivemos melhoras na participação dos agricultores familiares e na qualidade dos produtos apresentados na feira. A feira veio na idéia de o produtor ter um local onde apresenta seus produtos, negocia com comerciantes locais e troca informações com os outros participantes. Uma outra vitória foi criação do Fórum dos Movimentos Sociais de Belterra que é um espaço de articulação das organizações sociais de Belterra.

A Senhora falou do Fórum dos Movimentos Sociais, como ele foi criado e quais os objetivos?
Nós criamos o Fórum depois da criação do Conselho da Cidadania. O Conselho tem a participação da sociedade civil e do Governo Municipal onde se discute os rumos da cidade e fiscaliza ações. Na verdade o que nós queríamos era construir uma agenda e momentos em que a sociedade civil se organizassse separadamente do Governo. E nessa idéia, convidamos as diversas associações do município, grupos de jovens, grupos de mulheres, idosos para um primeiro encontro e desde lá temos nos encontrado. O objetivo é construir um espaço onde podemos trocar informações e propostas. A principal parceira deste trabalho é a FASE/Amazônia que nos ajuda com os custos das atividades e com debates importantes para o movimento social.

Quais as principais atividades realizadas por este Fórum?
Fizemos várias capacitações para os seguimentos com temas diversos como elaboração de projetos e outros. Definimos a realização do DRP-Diagnóstico Rural Participativo que nos dará o norte sobre a questão agrícola do nosso município. Esta atividade está tendo um empenho bem grande para que seja terminado logo, pois não temos dados concretos sobre a produção do município.

O que a Senhora espera da Nova diretoria do Sindicato?
Eu desejo muito sucesso no trabalho da nova diretoria e espero que possam dar continuidade nas lutas que a gente vinha travando no Sindicato como, por exemplo, a questão fundiária, a melhoria nos assentamentos, a implantação das ações do INSS no município, a implantação da Casa Familiar Rural, a Feira da Produção Familiar e outras batalhas. Eu acredito que eles darão continuidade nas atividades do Fórum dos Movimentos Sociais trazendo maior participação das lideranças comunitárias e das organizações sociais e se articulando para novas conquistas.

Nenhum comentário: